quarta-feira, 4 de Março de 2009

Assobio de orangotango surpreende ZOO

Bonnie, um orangotango de 32 anos do National Zoo em Washington DC, aprendeu a assobiar.

O tratador de Bonnie, Erin Stromberg, disse que este talento especial de Bonnie tem implicações nas ideias sobre a evolução da linguagem.

Os investigadores disseram que o novo comportamento de Bonnie vai contra a ideia de que os orangotangos têm um número fixo de sons, que são respostas involuntárias baseadas na emoção.

Publicado dia 26 de Fevereiro 2009, BBC News

Notícia original e VÍDEO: http://news.bbc.co.uk/2/hi/also_in_the_news/7912092.stm

Oportunidades de Emprego - Março 2009

Instructor, Broadreach Academic Treks
------------------------------------------------------
International Intern / Volunteer Coordinator, Roots & Shoots Program of the Jane Goodall Institute
------------------------------------------------------
Trustee, Sumatran Orangutan Society
------------------------------------------------------
Primate Research Internship, Zoo Atlanta
------------------------------------------------------
Research assistant for rhesus monkey research on Cayo Santiago, Puerto Rico, Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology, Leipzig (Germany)http://pin.primate.wisc.edu/jobs/listings/1476
------------------------------------------------------
Volunteer for multipurpose activities for the conservation of chimpanzees, Centre de Conservation pour Chimpanzés
------------------------------------------------------
Golden Lion Tamarin Conservation Program Internship, Zoo Atlanta
------------------------------------------------------
Chimpanzee Keeper/Enrichment, Wildlife Waystation
------------------------------------------------------
Volunteer field assistant for chacma baboon research in South Africa, Baboon Research Unit - University of Cape Town
------------------------------------------------------
Field assistant, Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology
------------------------------------------------------
Volunteer Co-ordinator, Vervet Monkey Foundation
------------------------------------------------------
Junior Specialist, University of California, Davis - Department of Psychiatry and Behavioral Sciences
------------------------------------------------------
Community-based conservation volunteer, Yellow-tailed Woolly Monkey Project, Neotropical Primate Conservation
------------------------------------------------------

Os macacos não se auto-reconhecem em frente a um espelho

Ao contrário dos chimpanzés, orangutangos e gorilas, os macacos não reconhecem a sua própria cara em frente ao espelho, segundo um novo estudo.

Segundo os investigadores, a falta de auto-reconhemimento nos gibões e em outros primatas menores, indica que a capacidade mental surgiu entre 14 e 18 milhões de anos atrás, quando a linhagem evolutiva se separou dos grandes primatas, reportou a New Scientist.

"Podemos especular sobre a mente de um ancestral comum sem mesmo olhar para um fóssil," disse Thomas Suddendorf, psicólogo na Universidade de Queensland, Australia, que liderou este estudo.

Estudos anteriores, sugeriram que os gibões não conseguem reconhecer o seu próprio rosto, mas esses estudos apenas experimentaram um pequeno número de animais de uma só espécie de gibão, disse Suddendorf.

Para por um ponto final na especulação, ele e a colega Emma Collier-Baker estudaram 17 gibões diferentes em cativeiro, pertencentes a três dos quatro géneros existentes.

A equipa de investigação testou o auto-reconhecimento, deixando em primeiro lugar os gibões lamber um saboroso bolo de gelo. Depois pintaram uma lista da mesma cor do bolo na cara dos macacos.

Depois de estarem apenas cinco horas à frente de um espelho grande, instalado no seu recinto, os gibões examinaram o reflexo e tocaram no vidro, não usando o vidro para inspeccionar a risca na cara , que à partida poderia oferecer um estímulo de auto-reconhecimento. Algumas vezes, eles tentavam tocar à volta do vidro para perceber se havia outro gibão.

Um dos macacos reparou na marca enquanto se coçava, mas não prestou mais atenção a esta depois de voltar para o vidro.

De acordo com Suddendorf, os macacos não têm uma ideia definida do que se parece com gelo na sua própria cara.

"Isto é um estudo bom e muito detalhado, mas confirma o que já sabiamos, que estes animais não se auto-reconhecem num espelho," disse Frans de Waal, primatologista no Centro de Primatas Yerkes e na Universidade de Atlanta, US.

O estudo foi publicado em Proceedings of the Royal Society B.



Publicado dia 26 de Fevereiro 2009; Hindustan Times - Life and Universe


Notícia original: http://www.hindustantimes.com/StoryPage/StoryPage.aspx?sectionName=HomePage&id=0f50707f-7870-44c0-a715-3c39f3a9ebfe&Headline=Apes+can't+recognise+own+faces+in+mirror